Bares famosos, beldades, vida boêmia e logo a frente um abismo!

          por Paulo Octávio Tassinari Caixeta

          O grau-mestre de materialização da ostentação e da guerra de egos. A superficialidade e a pobreza cultural contemporânea reunidas em um lugar só. O exibicionismo em seu auge.
          O topo da pirâmide disputado por praticamente toda a massa. A beleza e sexualidade feminina colocadas à mostra para que os homens se deliciem e ali fiquem por horas e horas vendo as beldades passarem, em busca de um prazer descartável e totalmente desvinculado de compromisso.
          Este é o lugar do momento, onde a elite e até mesmo a pseudo-elite exibem seus troféus e se expõem pelas redes sociais ostentando a luxúria e o status social adquirido por cada hora a mais nesses lugares.
          Pois é exatamente aí que vemos como estamos diante de uma sociedade tão focada no materialismo e que por este são capazes de ignorar por completo seu verdadeiro ser para estarem bem na fita e seguirem o rebanho guiado pela mídia, pelo modismo e pelas tendências.
          A minoria do topo influencia por completo as camadas inferioes. Existe uma energia negativa que ronda esses lugares, alguns a sentem mas fingem não perceber para não pensar a respeito do mundo paralelo em que estão vivendo.
          A sociedade está contaminada pela luxúria e pela pornografia. Aquilo que remete simplicidade é deixado de lado. A beleza estética é a chave. A riqueza financeira, a moeda de troca. Você tem que ter, e não ser. É assim que funciona. Existe um carro-chefe, uma locomotiva que move tudo isso: a sensualidade e a tentação provocada por ela. Mulheres belas e gostosas tem o poder de seduzir homens que ali estão procurando exatamente sexo fácil.
          Ser diferente em lugares assim não resulta em nada além de frustrações. Nesses lugares, basta reparar a música e você verá exatamente o reflexo comportamental do que essas músicas transmitem.
          A xarada morre aí. Vemos simplesmente a concretização de tudo que tem sido aceito e tomado como positivo pela sociedade. E por isso todos nós iremos para o abismo e viveremos períodos amargos. A queda de toda uma sociedade que deveria ser pautada na moral Judaico-Cristã trará consequências nefastas. Vemos isso nesses locais onde as pessoas só pensam no agora e buscam a efemeridade, totalmente perdidas e arrastadas compulsoriamente a um mundo paralelo onde predomina o prazer momentâneo.
           Com as devidas exceções, é de se lamentar como a sociedade está doente e errante. Deu pra sentir isso muito bem. O que me rendeu até esta reflexão. Feliz hoje de quem é feliz consigo próprio e consegue enxergar um outro caminho e o auto-conhecimento.

Comentários