Algumas das incoerências lógicas do Marxismo Cultural

     Nós, humanos, não podemos viver sem definições de caracterização, medida ou qualificação. Do mesmo jeito que criamos unidades de peso, comprimento e demais medidas, há analogamente uma necessidade de definirmos os sexos.
     Por mais que um indivíduo renegue seu gênero, em sua constituição genética é impossível "escolher" qual será a composição dos seus cromossomos ligados ao sexo. Ou é macho ou é fêmea.
     O que nos é apresentado no vídeo é que a relativização generalizada de definições em todos os âmbitos só tende a gerar discussões e discordância, pois apela ao subjetivismo. Desconstruir definições não se faz com relativizações. Não é esse o caminho. O mesmo vale para o sexo. Olhe o que acontece quando se tenta subjetivizar também unidades de medida como altura, cor de pele e etc.
     Se você não se posiciona em nada, cairá sobre qualquer coisa.


     

Comentários