O insensato comportamento feminino predominante no país da cultura da bunda...

            adaptado de "https://detonandoamatrix.wordpress.com/2012/09/05/o-narcisismo-e-o-novo-padra%CC%83o-de-beleza-feminino-parte-2/" por Paulo Octávio
         
            Quando duas mulheres se encontram, antes de qualquer pensamento, de qualquer palavra a ser dita o que elas fazem instintivamente é analisar detalhadamente o corpo da outra mulher. Isso ocorre porque a mulher é geneticamente programada para atrair os machos mais destacados.
         
            Mas para conseguir isso ela também precisa ser a melhor e superar as suas rivais no mercado sexual.
            A indústria da beleza feminina gera aproximadamente 2% do PIB mundial, uma cifra de 1,5 trilhão de dólares em 2012 e as mulheres gastam cada vez mais para poderem aumentar o seu nível de beleza física, e com isso aumentarem o seu poder de barganha sexual visando derrotar suas rivais na eterna luta pelos machos mais destacados.
            Em 2012 no Brasil, foram cerca de 850 mil intervenções cirúrgicas com fins estéticos, e 75% dessas cirurgias plásticas foram feitas em mulheres, sendo 20% delas com idades entre 14 e 16 anos.
            No Brasil, a indústria da estética é responsável por cerca de 3% do PIB, que em 2012 representa 80 bilhões de dólares e o Brasil se tornou o segundo maior mercado do mundo nesse setor.
            A indústria da beleza, é uma indústria que só existe devido ao narcisismo e o complexo de superioridade da mulher.
            As mulheres mais ricas se sentem superiores as mais pobres não porque possuem um nível social mais elevado, mas sim porque podem ter acesso aos mais caros tratamentos de beleza existentes, e com isso são capazes de atrair mais atenção dos homens do que as mulheres mais pobres.
            Quando Louis Réard criou o “bikini” ele não imaginava a guerra de egos que isso criaria, pois quando vão a praia, ao invés de se divertirem, as moças ficam o tempo inteiro envolvidas em uma guerra de egos e competem entre si o tempo todo para ver quem atrai mais a atenção dos homens.
            A partir do momento em que as mulheres começaram a ir a praia na década de 50, inicialmente com seus maios e depois com os biquínis, elas passaram a comparar o corpo delas com o corpo das outras. Depois veio a popularização do cinema e a TV, que só fez aumentar ainda mais a paranóia existente na mente feminina.
            Ao longo da história a mulher sempre usou o próprio corpo como arma para conseguir o que quer.
Mas com o pós-feminismo foi criada toda uma cultura em torno do corpo feminino, e a mulher não hesita em utilizar-se do sexo pra conseguir vantagens e principalmente destaque social nos dias atuais.
            Os homens competem entre si através do poder financeiro, forca física, inteligência e coragem. Entre as mulheres a disputa se resume a beleza física e a capacidade que elas tem de atrair mais homens destacados, porque isso reflete a idéia de superioridade da mulher.
            A mulher atual pode estudar e ter sucesso em sua carreira, mas a maioria se acha feia, e dificilmente alcança a felicidade plena. Mas é claro que ainda existem mulheres que não ligam pra isso e que são sim felizes desse jeito.
            Tirando as exceções, a mulher nunca será feliz porque ela própria acredita que ser superior é ser capaz de controlar, subjugar o outro através do sexo e da beleza. Esse parágrafo é a síntese do pensamento que implicitamente é pregado todos os dias nas novelas de audiência das emissoras Brasileiras, em especial, a rede Globo.
            Nada deixa uma mulher mais feliz e satisfeita do que saber que as outras mulheres estão com inveja dela. Isso sempre existiu mas nunca de forma tão exagerada como atualmente. Nas redes sociais, quando uma mulher atualiza o status dela e coloca “namorando” ou “casada” imediatamente muitas mulheres começam a comentar e a parabeniza-la por essa “conquista”. Isso ocorre porque na mente da mulher, ser capaz de prender um homem em um relacionamento, especialmente se ele for destacado e rico é sinônimo de sucesso e felicidade, o símbolo máximo de destaque que uma mulher pode ter.
            A mulher não liga se a outra tem mais estudo ou mais dinheiro do que ela, se a outra é “doutora” e ela uma atendente de call center, desde que ela consiga atrair mais a atenção dos homens do que a outra.
            Se ela for capaz de atrair homens mais destacados do que a outra ela será plenamente feliz mesmo se for pobre, até porque sempre são os homens que pagam a conta mesmo, então para as mulheres isso não faz tanta diferença assim. As próprias mulheres pensam dessa forma. Portanto o machismo que a mídia faz questão de dizer, que faz com que as mulheres pensem dessa forma é absolutamente falso.
            A mulher desvaloriza a si mesma quando pensa dessa forma mas, elas não fazem questão de mudarem sua atitude, pelo contrário o que se percebe é que nesse quesito elas estão ficando cada vez mais radicais.
            Quando a mulher coloca um silicone, ela acredita que está implantando felicidade, é como se fosse um passaporte para uma vida melhor, e talvez seja mesmo. Porque com um peito grande e uma bunda gostosa, ela vai poder competir com as outras pelos homens mais ricos e isso pode tirá-la de toda uma vida de trabalho e stress. Mas ao optarem por viver de forma passiva e utilitarista, essas mulheres aproveitadoras jogam a independência delas no lixo. E quem faz isso é a própria mulher, e não os homens!
           As mulheres associam valor social diretamente com nível de beleza. Inclusive recentemente, uma pesquisadora dos EUA publicou uma pesquisa no qual ela afirma que descobriu o óbvio, nos grupos de amigas, a mais gostosa manda nas mais feias, mesmo se a mais feia tiver mais dinheiro e estudo do que a bonita.
            Como foi anteriormente citado, cerca de 20% das cirurgias plásticas com fins estéticos foram realizadas em mulheres com idade entre 14 e 16 anos. Isso não acontece porque essas mulheres não conseguem arranjar um homem só porque tem um peito ou uma bunda pequena, ou porque estão acima do peso. Na verdade essas mulheres mais jovens odeiam o fato de que as mulheres mais velhas, que estão na faixa dos 20/25 sejam capazes de atrair a atenção dos homens mais destacados. Elas tem muita pressa para entrarem no mercado sexual, e estão dispostas a arriscar até a própria vida pra conseguir isso.
            As subcelebridades que se prostituem, especialmente aquelas que aparecerem nuas em revistas masculinas ou em filmes pornôs, fazem questão de dizer que recebem “presentinhos” caros de empresários e até de alguns donos de emissoras de rádio e televisão. As jornalistas e apresentadoras quando se referem a elas, demonstram de forma velada uma certa admiração por essas mulheres e algumas demonstram até mesmo inveja. Então a guerra que existe entre as mulheres no mercado sexual, não é uma disputa econômica como no caso dos homens, mas sim uma disputa sexual.
            Na medida que essas mulheres orgulhosas e narcisistas envelhecem, elas percebem que não conseguem mais ter o mesmo poder de atração sobre os homens que elas tinham antes. Isso as torna realmente neuróticas e histéricas e quanto mais essa mulher que no passado era extremamente gostosa e assediada por todos envelhece, mais aumentam os problemas psicológicos.
            Muitas passam a usar a máscara de moralistas e defensoras da moral, e ficam criticando as mulheres mais jovens porque estas fazem o que elas mesmas sempre fizeram em sua juventude.
            A mulher considera um “direito” dela usar o sexo como moeda de troca. Isso na mente feminina é algo natural, como é natural para o homem utilizar o seu poder financeiro para vencer um rival em alguma disputa. Hoje o homem que tem uma relação estável, já sai do serviço pensando em alguma forma de agradar a sua parceira e quanto mais ele a deseja sexualmente, mais ela tem poder sobre ele. Elas fazem inúmeros sacrifícios para aumentarem a beleza delas porque sabem que dessa forma vão poder exigir mais dos homens. Entretanto, isso não deve funcionar assim. Temos que mudar essa relação baseada só no esteriótipo. Mais submissão, mais dinheiro, mais mimos, mais presentes, mais atenção e mais dedicação dos homens para atenderem aos caprichos delas.
            É comum as mulheres gastarem com cirurgias ao invés de pagarem uma faculdade ou um curso para aprenderem outras línguas. Sim, pois a mulher adora ser um objeto de desejo, na verdade toda a sexualidade feminina é baseada no próprio ego e no narcisismo.
            As feministas criticam ferozmente as “mulheres objeto” mas são extremamente hipócritas ao não admitirem que a própria mulher quis se transformar em um objeto de desejo que é comprado no mercado sexual.
            Na mente feminina, uma mulher que estuda vários anos da vida, abrindo mão de tudo quanto é diversão, e ainda trabalha outros 30 para conseguir conquistar um patrimônio, não passa de uma mulher "burra". E aquela que só possui dois neurônios, um pra dar e outro pra chupar, mas que se casa com um ricaço, é vista mesmo que de forma velada como uma heroína pelas outras mulheres. As que se dedicaram ao caminho mais difícil na vida invejam profundamente essas mulheres que conseguem “vencer” na vida apenas usando o próprio corpo. Isso sim é poder pra elas, e não um diploma.
            Isso tudo que vimos reflete uma mente doente, com um profundo complexo de superioridade. Elas ficam “turbinadas” porque querem prender em uma relação homens destacados, e de preferência que seja o ex de alguma rival. Isso eu ja cansei de ver e ouvir.
            As mulheres incentivam os homens a enviarem declarações patéticas de amor nas redes sociais, porque dessa forma elas podem mostrar para as outras o quanto são capazes de subjugar os homens apenas com a beleza delas. Elas mesmas se tornam objetos porque querem.
            A vida feminina hoje se resume a competir com as outras através da beleza, futilidade e arrogância, e muitas adoram atrair os homens só pra dar um fora neles depois. Isso é um sinal de superioridade pra elas, ter o poder sobre o homem e elas de fato conseguem obter sucesso na grande maioria das vezes.
            A mulheres dessas últimas gerações são obcecadas em exibir suas fotos nas redes sociais, muitas vezes com roupas provocantes e quanto mais comentários e curtidas elas conseguem, mais felizes ficam,além de mais orgulhosas e narcisistas também. Isso foi inclusive assunto de duas publicações que fiz aqui no blog.
exemplo de retardada narcista atual
            Narcisismo puro, e repito, toda a sexualidade feminina é baseada no narcisismo delas. Ele faz com que a própria mulher se objetifique sozinha e isso não é culpa dos homens, porque elas poderiam optar por serem mais discretas, mas elas estão fazendo exatamente o contrário e a mídia incentiva tudo isso e quando algo dá errado, é só culpar o machismo masculino.
            Historicamente, no Brasil, até a década de 80, as mulheres tinham como padrão de beleza ser magra. Mas com o aparecimento da mulher carioca, cheia de curvas, nos programas da estúpida e alienadora TV brasileira, elas perceberam que os homens se excitam mais com mulheres peitudas e bundudas, mais do que com as magras ou que não tenham tantas curvas. Isso provocou uma verdadeira corrida para as academias e clinicas de cirurgias! Hoje isso é claramente evidente e infelizmente, já nos encontramos no fundo do poço da imoralidade e banalidade sexual aqui no Brasil.
            Não é a toa que o Brasil é hoje o segundo maior mercado do mundo para a indústria da beleza. Nessa competição pra ver qual é a mais desejada e qual consegue exibir o melhor troféu, as mulheres pobres tem muita desvantagem porque não podem gastar pra ficar “turbinada” como elas gostariam. Muitas se tornam prostitutas exatamente porque querem construir um corpo perfeito e querem ter esse corpo enquanto ainda são jovens e “poderosas” e podem ganhar muito dinheiro rapidamente vendendo os seus serviços sexuais.
            No mercado sexual, a regra para o homem é essa: ou ele tem dinheiro, de preferencia sendo algum “artista” famoso ou ele não tem valor e por consequência fica privado de ter acesso as mulheres mais bonitas e encorpadas, porque essas, com raríssimas exceções, só querem se envolver com os ricos.
            Se for comparado o nível de sofrimento e de cobranças que pesa sobre um homem e uma mulher no mesmo nível de pobreza, o homem sempre vai sofrer mais. A mulher sempre tem alguma ajuda, isso quando não recorre a prostituição. Já muitos homens de mente fraca acabam indo pro mundo do crime em busca de dinheiro e poder, um poder que lhes trará bens de consumo que agregam status social e consequentemente mulheres.
            Pro homem atual, ter dinheiro não significa apenas ser mais respeitado, mas significa que ele terá acesso privilegiado ao mercado sexual e poderá inclusive escolher qual tipo de mulher ele quer. O homem que está desempregado fica depressivo, porque percebe que está impotente diante da mulher.
            O homem nos dias de hoje por si só não vale mais nada. Se ele não possuir hoje bens que lhe proporcionem status ele será jogado para o fim da fila, e lá permanecerá a não ser que ele conheça uma mulher com a mesma essência crítica desse texto e que saiba o compreendê-lo.
            Quanto a mulher, ela pode se dar o luxo de ser aproveitadora a vida inteira, e quando alguém expõe essa verdade, as feministas dizem: “Isso é a liberdade de escolha que a mulher tem hoje, você é machista!”
            Mas essas mesmas feministas nunca vão admitir que as clínicas de cirurgia plásticas vivem lotadas somente porque as mulheres querem ter mais poder sexual, querem poder humilhar suas concorrentes e principalmente querem prender em uma relação estável um homem rico, que deixe a mulher com uma vida confortável pro resto da vida ou após a separação.

Comentários